Prefeitura cumpre mais uma etapa para a implantação do Consórcio Regional do Saneamento Básico

19/05/2016
A aprovação do estatuto social e a eleição da diretoria foram o terceiro passo para a implantação do CONSANE A aprovação do estatuto social e a eleição da diretoria foram o terceiro passo para a implantação do CONSANEFotos: Ronei Nunes

Secretaria do Meio Ambiente realizou na tarde desta quarta-feira (18/05), no auditório da Prefeitura, uma reunião do Consórcio Regional do Saneamento Básico (CONSANE), na qual foi aprovado o estatuto social e a diretoria executiva do mesmo, ambos por unanimidade. Estiveram presentes o prefeito de Lavras, professor Silas Costa Pereira, além de representantes de Bom Sucesso, Ijaci, Luminárias e Ribeirão Vermelho.

Devido ao alto custo de um aterro sanitário, de mais de R$1 milhão de reais, o consórcio prevê a união de municípios para viabilizar sua instalação e assim resolver o problema dos resíduos sólidos domiciliares de maneira ecologicamente correta.

Segundo Josecler Alair de Oliveira, secretário do Meio Ambiente, a aprovação do estatuto e a eleição da diretoria tratam-se do terceiro passo para a implantação do CONSANE – “Os próximos passos serão dados ainda esta semana, como o registo em Cartório e a solicitação do CNPJ junto à Receita Federal do Brasil”- explicou o secretário.

A diretoria executiva eleita ficou composta pelos seguintes cargos: o prefeito de Lavras, Silas Costa Pereira, como diretor executivo. O prefeito de Ribeirão Vermelho, Celio Carlos de Carvalho, como vice-presidente. O prefeito de Luminárias, Arthur Maia Amaral, como secretário.

Durante muitas décadas, os resíduos produzidos nas residências, comércios e indústrias eram descartados nos antigos lixões dos municípios. Sem critérios de separação dos resíduos sólidos, o local provocava grande impacto ambiental, já que o “chorume” – líquido preto produzido a partir da decomposição dos materiais – penetrava na terra, causando a contaminação do lençol freático e do solo. Além disso, trazia riscos para a saúde pública e se tornava problema social de muitos catadores de materiais recicláveis, que sem nenhum tipo de proteção, se misturavam ao lixo para poder retirar dele o sustento das famílias.