UFLA obtém conceito máximo no Índice Geral de Cursos – IGC/MEC

Publicado em 21/12/2015

A Universidade Federal de Lavras (UFLA) está no seleto grupo das 12 universidades do País que receberam o conceito máximo (nota 5) no Índice Geral de Cursos (IGC), divulgado no dia 18 de dezembro pelo Ministério da Educação (MEC). Em Minas Gerais, somente três universidades obtiveram conceito máximo: UFLA, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Universidade Federal de Viçosa (UFV). No ranking recém-divulgado, referente ao ano de 2014, a UFLA ocupa a 3ª posição no Estado e a 10ª no País.

O IGC é um indicador de qualidade e representa a avaliação anual do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep/MEC). Seu cálculo leva em conta o Conceito Preliminar de Curso (CPC), a média dos conceitos dos programas de pós-graduação stricto sensu atribuídos pela Capes e a distribuição dos estudantes entre os diferentes níveis de ensino: graduação, mestrado e doutorado. A classificação abrange um conjunto de 230 universidades (federais, estaduais e particulares) e institutos federais. No total, foram avaliadas 2.042 instituições de ensino superior.

Embora tenha sido registrada uma alteração nas posições tradicionalmente ocupadas pela UFLA, a diferença do IGC contínuo entre os dez primeiros colocados é de apenas décimos. Com as mudanças na metodologia de cálculo adotada pelo Inep/MEC, a UFLA registrou o IGC contínuo de 4,05 e manteve-se no grupo de instituições de excelência.  A Universidade Estadual de Campinas – Unicamp – ocupa a primeira posição com IGC contínuo 4,38.

Para o reitor, professor José Roberto Scolforo, o desempenho da UFLA no IGC reforça a posição de destaque da Instituição, mesmo com alterações na metodologia de avaliação. Nos anos anteriores, a nota obtida pelos cursos de graduação e o número de graduandos tinham impacto proporcionalmente maior do que na metodologia atual, oportunizando universidades de menor porte estar na liderança do ranking.

“Embora a nova metodologia privilegie universidades de maior porte, em especial aquelas que ofertam maior número de programas de pós-graduação bem conceituados pela Capes, o desempenho da UFLA é considerado ótimo e deve ser recebido com orgulho pela comunidade acadêmica da UFLA, já que se mantém na categoria de excelência, grupo em que estão apenas 12 universidades do País”, avalia.

A classificação atual exigirá ainda mais trabalho, mais dedicação, mais comprometimento, mais análise crítica, de uma comunidade que tem feito muito bem o seu papel, para que os critérios de qualidade sejam persistentemente buscados e alcançados. Várias ações já fazem parte do planejamento da Instituição. “É fundamental que a UFLA aumente o número de programas de pós-graduação e o número de alunos como já preconizados nos últimos meses pela atual gestão da UFLA”, lembrou.

Novas regras

Nessa edição, o Inep mudou a metodologia de avaliação, inserindo um novo componente na equação do IGC, que passou a considerar também a proporção de estudantes de doutorado em relação ao total de estudantes da instituição. Antes, era feita a proporção de estudantes apenas de graduação e de mestrado. Esta mudança acabou por beneficiar as universidades de grande porte, com maior número de estudantes e programas de pós-graduação.

Os critérios que mais influenciaram o IGC na nova metodologia foram as proporções de estudantes de mestrado e doutorado equivalentes em relação ao todo, ou seja, não basta a nota de mestrado e doutorado ter sido boa, mas na nova regra é  fundamental que existam muitos estudantes nestes programas para dar uma maior proporção em relação ao número de estudantes total.

Dessa maneira, uma pós-graduação com muitos cursos, muitos alunos e bem avaliada, como é o caso das grandes universidades em número de alunos e cursos de graduação e de Pós, possibilitaram a elas uma melhor colocação no ranking do IGC.

No caso UFLA, o resultado é muito bem recebido e natural, pois a graduação está em franca expansão e até que os jovens docentes contratados para os novos cursos se insiram de forma definitiva na pós-graduação é necessário um período de tempo para sua completa integração com a Instituição.

Clique e veja como é feito o cálculo na nova metodologia

Outro ponto que deve ser destacado nessa edição é que a UFLA teve 21 cursos avaliados no triênio 2012, 2013 e 2014, incluindo vários cursos novos. No ano anterior, foram 13 cursos avaliados relativos ao triênio 2011, 2012 e 2013. Vale considerar que parte do IGC é composto pelo Conceito Preliminar de Curso (CPC), que avalia o desempenho do curso, mas não é considerada apenas a nota no Enade, mas também a diferença de Desempenho (IDD), que é uma estimativa estatística que leva em consideração a nota do Enade, a nota do Enem e outros fatores. No caso da UFLA, as licenciaturas apresentaram ótimo desempenho, todas com conceito 4 no Enade e no CPC, além de vários bacharelados avaliados.

Segundo avaliação do assessor para Desenvolvimento Acadêmico, João Chrysóstomo de Resende Júnior, se for considerado o conceito médio da graduação, a UFLA se encontra na sexta posição no Brasil e na segunda posição em Minas Gerais, dois centésimos atrás da UFV. Vale destacar que quanto maior o número de cursos de graduação avaliados e quanto maior a proporção de estudantes de graduação das IFES em relação ao total, mais difícil é para a instituição se manter com o IGC contínuo alto, e a UFLA vem conseguindo isto ao longo dos anos. (ver tabela a seguir). “Mesmo com a mudança das regras, a UFLA continua firme no propósito de se inserir entre as melhores Instituições do País e também aparecer para o mundo de forma consistente”, destacou.

IGC

Veja também