UFLA faz parceria que promete resultados de impacto para os mercados do café

07/01/2016

 

 

Encontrar formas para que os atributos sensoriais e de composição física e química dos cafés especiais sejam preservados por longo período é um desafio para instituições, pesquisadores e produtores do ramo. As embalagens em que os grãos são armazenados interferem no alcance desse objetivo. Uma pesquisa em desenvolvimento na Universidade Federal de Lavras (UFLA) promete trazer resultados revolucionários para o mercado, ao analisar as características de cafés especiais após um período de estocagem em embalagens específicas, produzidas em papel e plástico.

O projeto foi formalizado nesta quarta-feira (6/1) e tem a participação da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA), da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e das empresas Klabin S.A. e Videplast Indústria de Embalagens LTDA, além da colaboração da Bourbon Specialty Coffees e da Carmocoffees. Representantes de três dessas empresas e instituições estiveram na Universidade para assinar o convênio.

De acordo com o professor do Departamento de Engenharia da UFLA (DEG), Flávio Meira Borém, coordenador da pesquisa, as embalagens mais utilizadas atualmente ainda não atendem às necessidades do mercado de cafés especiais. “Ou elas não são eficazes, ou apresentam alto custo”, diz. O material frequentemente utilizado são os sacos de juta que, segundo o pesquisador, levam a perdas de qualidade do café em curto período (menos de três meses), devido à variação do teor de água nos grãos e sua interação com o ar ambiente. O armazenamento inadequado leva à degradação de compostos químicos e à geração de substâncias que conferem características indesejáveis ao paladar, afetando negativamente alguns atributos sensoriais da bebida, como a acidez, sabor, doçura e corpo, além de afetar também a cor.

Novas embalagens, criadas pelas empresas Klabin S.A. e Videplast, serão utilizadas na pesquisa intitulada “Desenvolvimento de embalagens e métodos de armazenamento para cafés especiais”. De forma inédita, a investigação cobrirá todo o período de estocagem do café incluindo a etapa de exportação e armazenamento em um país consumidor. “Fui pessoalmente aos Estados Unidos coletar amostras do café exportado usando as diferentes embalagens em estudo”, relata o professor Borém.

Ao final do período de pesquisa, será possível constatar se os diferentes materiais que constituem essas embalagens proporcionam resultados positivos para a manutenção dos atributos sensoriais dos cafés especiais. “Temos boas expectativas quanto aos resultados. Eles são promissores e demonstram grande potencial para uso das novas embalagens. Quando o mercado iniciar a substituição da juta, será revolucionário não só para o Brasil, mas para o mundo”. É possível que, posteriormente, os cafés commodity também passem a ser armazenados nas novas embalagens.

Durante a cerimônia de assinatura do convênio, a procuradora da BSCA, Vanúsia Maria Carneiro Nogueira, enfatizou que o projeto é um exemplo de parceria público-privada envolvendo também outras organizações – como a BSCA e a Apex-Brasil – e busca a inovação, a mudança. “São iniciativas que nos permitirão continuar como ponto de referência no mundo no que se refere à produção de café. Daremos, com certeza, passos mais largos em direção a outros projetos ousados”.

O procurador da Videplast, Cláudio Márcio Francisco, também destacou a parceria entre universidade e mercado. “Nossas portas estão abertas para novas parcerias com a UFLA; estamos prontos para outros projetos, sempre em busca da inovação”.

Representando a Klabin, o diretor da Divisão Sacos Industriais, Douglas Dalmasi, disse ter encontrado uma estrutura muito sólida na UFLA, reconhecendo que o trabalho conjunto poderá fortalecer a geração de tecnologia e inovação para o mercado. “Vimos que podemos desenvolver outros projetos em parceria, com bons resultados”.

Integraram a mesa de honra da solenidade, presidida pelo reitor, o sub-chefe do DEG, professor Gilberto Coelho; o presidente da Fundação de Desenvolvimento Científico e Cultural (Fundecc), professor Rilke Tadeu Fonseca de Freitas; o diretor de Contratos e Convênios da UFLA, Fábio Costa Lasmar; o pró-reitor de Pesquisa, professor José Maria de Lima; o gerente comercial da Klabin, Fernando Silveira Bruno e o presidente da BSCA, Adolfo Henrique Vieira Ferreira.

Cinco representantes da Klabin visitaram instalações da UFLA na terça-feira (5/1). Eles conheceram a área em que está sendo construído o Parque Tecnológico, foram recebidos pela equipe Laboratório de Nanotecnologia Florestal (sob a condução do professor Gustavo Tonoli); e passaram pelo Laboratório de Estudos e Projetos em Manejo Florestal (Lemaf/UFLA). Também tiveram a oportunidade de circular pelo câmpus, observando obras como o Centro de Eventos e o complexo esportivo de alto rendimento.