Tecnologia desenvolvida na UFLA inova ensino da Tabela Periódica

Publicado em 14/04/2015

2

Uma proposta diferenciada para o ensino de Tabela Periódica está sendo desenvolvida na UFLA por um grupo de trabalho coordenado pelo professor Ronei Ximenes Martins, do Departamento de Educação (DED). Trata-se de um jogo educativo que irá proporcionar uma metodologia inovadora e atraente para ensinar, de forma mais prazerosa e interessante, os elementos químicos.

Os materiais didáticos são ferramentas essenciais para o processo de ensino-aprendizagem e esse jogo, que minimiza as dificuldades apresentadas pelo ensino na forma convencional, almeja ser uma alternativa viável para auxiliar a aprendizagem. Nesse sentido, o professor Ronei acredita que a tecnologia, quando concluída, poderá se tornar uma opção importante para o professor utilizar em sala de aula, pois quando os estudantes estão envolvidos emocionalmente com os estudos, o processo de ensino e aprendizagem fica mais fácil.

Assim, o grupo de pesquisadores tem desenvolvido estratégias diferenciadas para o jogo, que será em 3D, no formato de RPG, em primeira pessoa, inédito para este conteúdo da Química. O jogo poderá ser baixado como aplicativo em qualquer dispositivo que utilize Android e também em computadores com um emulador Unit3d. O aluno/jogador poderá entrar em um mundo virtual, por meio da criação de um avatar que o represente. Nesse mundo, existirão: espaços para se conhecer os conteúdos relacionados aos elementos químicos; um supermercado com diversos itens a serem estudados; um laboratório, que permitirá compor e decompor materiais para se obter elementos da tabela periódica; e uma casa do professor, local que o aluno poderá visitar para dialogar, tirar dúvidas e obter missões a serem realizadas no mundo virtual.

O jogo foi concebido tendo como base a aprendizagem significativa e cooperativa em um modelo que articula os conhecimentos pedagógico, tecnológico e do conteúdo a ser trabalhado. Nessa perspectiva, o jogo prevê o acesso simultâneo de vários jogadores, que podem assumir avatares com características de alunos e de professores. Com isso, as missões podem ser compartilhadas e será possível estabelecer atividades em grupos cooperativos. Caso o grupo decida criar competições, isso também será possível, bastando que se altere o contexto das missões, que são elaboradas pelos professores.

O público potencial é imenso, pois a disponibilidade de celulares e tablets entre os estudantes dos últimos anos do ensino fundamental e do ensino médio (potenciais interessados no produto) é da ordem dos milhões. E ainda, o conteúdo é considerado um dos mais difíceis da Química que é ensinada na educação básica.

Até o momento, foi desenvolvido um protótipo baseado em pesquisas conduzidas por Amanda Mayra Cardoso, aluna do mestrado profissional em Educação, sob orientação do professor Ronei Ximenes; e baseado no desenvolvimento do aplicativo, realizado pelo acadêmico Aleph Campos da Silveira, orientado pelo professor Raphael Winckler de Bettio, do Departamento de Ciência da Computação (DCC). Para sua finalização, falta aprimorar o protótipo, visando transformá-lo no produto final.

——

inovacao-empreendedorismoFique por dentro das tecnologias que estão sendo desenvolvidas na UFLA, acompanhe a série semanalmente no Portal UFLA. Este é um dos projetos da assessoria de Inovação e Empreendedorismo da Universidade Federal de Lavras.

Os professores/pesquisadores que ainda não participaram favor entrar em contato pelo e-mail [email protected]

Veja também