Projeto de Lei reconhece o “Caminho Passos de Padre Léo” como interesse cultural

Publicado em 18/11/2021
A deputada estadual Leticia Aguiar protocolou na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP), o Projeto de Lei 778/2021 que reconhece como de relevante interesse cultural o “Caminho Passos de Padre Léo”.
“A proposta incentiva e fortalece ainda mais o turismo religioso, ajudando no desenvolvimento econômico da região do Vale da Fé. O Caminho foi oficializado em 7 de março de 2021 e faz memória a trajetória de vida do Servo de Deus Padre Léo.”, justificou a Leticia Aguiar.
Pelo estado de São Paulo o trajeto passa pelos municípios de Piquete, Cachoeira Paulista, Canas e Lorena. E pelo estado de Minas Gerais percorre os municípios de Itajubá, Delfim Moreira e Marmelópolis, que também tem um projeto em andamento do deputado estadual de Minas Gerais, Dalmo Ribeiro.
A deputada Leticia Aguiar é cristã, e nascida na cidade de São José dos Campos de onde acompanhou o trabalho do Padre Léo na região do Vale do Paraíba e Vale da Fé, a região reúne grande parte do Turismo Religioso do Estado de São Paulo. Além disso a cidade de Aparecida que abriga o maior templo católico do país, o Santuário Nacional de Aparecida (SP) recebe em média mais de 12,6 milhões de romeiros por ano.
O Caminho Passos de Padre Léo
A deputada estadual Leticia Aguiar ao tomar conhecimento do caminho, imediatamente protocolou na Assembleia Legislativo projeto de lei para incentivar e divulgar este turismo de peregrinação: “É muito importante salientar a vocação do Turismo Religioso na região do Vale Histórico e Vale da Fé, e o Estado de São Paulo não pode deixar de reconhecer a importância deste novo caminho, ainda mais pelo exemplo do sempre querido e saudoso Padre Léo”, disse a parlamentar.
O chamado “Caminho Passos de Padre Léo” passa por diversas cidades dos estados de Minas Gerais e São Paulo, com a intenção de levar o peregrino aos locais onde o Padre Léo passou e deu seus passos na missão de evangelizar.
Em março de 2018, o projeto do “Caminho Passos de Padre Léo” foi lançado pela Prefeitura Municipal de Delfim Moreira, no Sul de Minas. Um projeto muito bem elaborado, com o percurso e segmentação por trechos, sinalização, identidade visual, ponto de apoio, credenciamento e atrativos naturais, culturais e religiosos.
Em 2019, o projeto ganhou força com a união dos voluntários do Caminho de Aparecida e, no início de 2021, houve a reunião com os responsáveis da Comunidade Bethânia de Lorena/SP para os acertos finais de lançamento oficial do “Caminho Passos de Padre Léo”, durante a Santa Missa de celebração de 1 ano de entrada do processo de beatificação de Padre Léo.
O “Caminho Passos de Padre Léo” é uma rota de peregrinação que tem recebido, nos últimos meses, vários peregrinos de diversos locais do Brasil. A rota possui aproximadamente 140 quilômetros, passando por diversas cidades dos estados de Minas Gerais e São Paulo: Itajubá (MG), Água Limpa (MG), Biguá (MG), Barreirinho (MG), Delfim Moreira (MG), Pico dos Marins (SP), Piquete (SP), Cachoeira Paulista (SP), Canas (SP) e Lorena (SP).
A rota tem seu ponto de chegada em Lorena, onde está localizado o recanto da Comunidade Bethânia, local onde se realiza o acolhimento de pessoas com dependência química ou soropositivo. Uma Comunidade de vida e acolhimento e toda a espiritualidade perpassa o âmbito do amor e misericórdia de Deus.
Nas palavras deixadas por Padre Léo: “a recuperação que almejamos é fruto do acolhimento que praticamos”. Por isso, o foco da Comunidade não é recuperar, mas acolher. Acolher no sentido de hospedar, agasalhar, abrigar, amparar, dar atenção e refúgio, receber bem, atender prontamente, dar créditos a alguém, admitir e tomar em consideração.
Ainda nas palavras de Padre Léo: “O que interessa é que por onde eu passar eu tenho que deixar um rastro de Deus, para que quem vier atrás ache esse caminho. É isso que dá sentido à vida!”.
Padre Léo
Léo Tarcísio Gonçalves Pereira, mais conhecido como Padre Léo, nasceu em 9 de outubro de 1961. Veio de uma família humilde de Delfim Moreira, Sul de Minas Gerais, no vilarejo conhecido por Biguá. É o nono filho de Joaquim Mendes Pereira (seu Quinzinho) e Maria Nazaré Guimarães (dona Nazaré).
Antes de ingressar no seminário, foi torneiro mecânico e trabalhou em uma fábrica de armas. Somente em 1982 entrou no Seminário Dehonista na cidade de Lavras, no Sul de Minas, pertencente à Congregação dos Padres do Sagrado Coração de Jesus. Em 1990, Padre Léo foi ordenado sacerdote e atuou na formação de novos religiosos e sacerdotes. Em 1995, fundou a Comunidade Bethânia.
Seu carisma tornou-se amplamente conhecido no Brasil por meio de grande atuação na Renovação Carismática Católica. Foi pregador de multidões desde o tempo de formação presbiteral, participou de Cenáculos e vários outros encontros.
Com seu jeito alegre de ser e apaixonado pela Sagrada Escritura, utilizava-se de exemplos concretos e simples do dia a dia para chegar aos corações mais endurecidos. Sempre com o uso de linguagem simples, prendia a atenção dos ouvintes e ao mesmo tempo convidada a uma experiência íntima com a pessoa de Jesus, não somente racional, mas de forma afetiva.
Padre Léo atuou como verdadeiro profeta do Coração de Jesus em vários meios de comunicação. Publicou 27 livros e atuou em programas católicos de televisão, a exemplo da Associação do Senhor Jesus em Valinhos/SP e, posteriormente, no Sistema de Comunicação Canção Nova, em Cachoeira Paulista/SP, onde ficou conhecido nacional e internacionalmente.
Após 16 anos de sacerdócio, vivendo integralmente o seguimento de Cristo, Padre Léo faleceu em 4 de janeiro de 2007, aos 45 anos, vítima de infecção generalizada por causa de um câncer no sistema linfático. Sua obra e memória continuam vivas nos corações de quem ama e daqueles que fazem parte da família Bethânia.
Comunidade Bethânia
A deputada estadual Leticia Aguiar oficializou, no dia 14 de janeiro, a destinação de uma emenda parlamentar no valor de R$ 100 mil para a Comunidade Bethânia de Lorena.
Acompanhada de seu chefe de gabinete, Anderson Senna, a deputada foi pessoalmente até a entidade para protocolar a destinação do recurso. Eles foram recebidos pelo diretor administrativo da entidade, Jeferson Kniess, e pelo representante dos padres Vicente e Lúcio, Flávio Júnior Lopes.
A Comunidade Bethânia, que tem como vocação o acolhimento de pessoas com dependência química e soropositivas, utilizará o recurso no valor de R$100 mil em reformas para melhorias do espaço onde funcionam as atividades.
Comunidade Bethânia – Lorena
No ano de 2003, o professor Felipe Aquino (residente em Lorena e proprietário do terreno), juntamente com o Padre Jonas Abib (fundador da Comunidade Canção Nova), expressaram numa conversa com o Padre Léo a necessidade da Comunidade Bethânia assumir um recanto em Lorena, num terreno de propriedade do próprio professor Felioe.
Aceitando o convite, no dia 17 de abril do mesmo ano, quatro consagrados foram enviados em missão para dar início aos trabalhos. Atualmente o Recanto de Lorena acolhe diversos filhos e filhas de Bethânia e funciona, ainda, como casa onde se dá a primeira etapa formativa para aqueles(as) que sentem-se vocacionados ao carisma da comunidade. Ali, funciona o Aspirantado, sob a orientação de consagrados da comunidade que desenvolvem os trabalhos formativos com os(as) vocacionados(as).

Veja também