Instituto Gammon recebeu visita de professor dos EUA

10/07/2015
O professor Carlos Ortega Amparam ao lado do gerente de apoio educacional e marketing do Instituto Gammon, Diego Nascimento.
O professor Carlos Ortega Amparam ao lado do gerente de apoio educacional e marketing do Instituto Gammon, Diego Nascimento.

O professor Carlos Ortega Amparam ao lado do gerente de apoio educacional e marketing do Instituto Gammon, Diego Nascimento.

O Instituto Presbiteriano Gammon recebeu essa semana a visita de Carlos Ortega Amparan, 39 anos, professor de Língua Inglesa do Kirkwood Community College, instituição norte-americana que há mais de um ano mantém uma parceria com o colégio lavrense.

Ortega é responsável pelo ensino de inglês a distância em um curso ministrado em tempo real. O projeto que tem por objetivo a internacionalização do Gammon, já atendeu mais de 30 alunos do Ensino Fundamental II ao Ensino Médio. O docente afirmou estar muito entusiasmado com o encontro pessoal com os estudantes gammonenses.

“O importante não é somente ensinar inglês, mas também aprender sobre outra cultura. Queremos abrir também os olhos dos nossos estudantes do Kirkwood Community College para as oportunidades fora das fronteiras”, avaliou.

Ele comentou também os avanços proporcionados pelo ensino através das vídeo aulas na internet. “Trabalhar com a tecnologia pode gerar novas soluções. Essa é uma boa maneira de poder nos conectar com pessoas e criar relações mais humanas”. As aulas são ministradas por dois professores do Kirkwood Community College, com a participação da diretoria de Programas Internacionais e do Departamento de Tecnologia do educandário norte-americano.

Nascido nos Estados Unidos, mas com passagens por Alemanha e  México, essa é a primeira vez que Ortega visitou Lavras. Ele revelou que não tinha ideia da dimensão da importância do colégio lavrense, que leva o nome de seu fundador, o pastor presbiteriano Samuel Rhea Gammon (1865-1928). Ortega destacou que se trata de uma “grande história”, por isso se sentia orgulhoso de poder ser uma “pequena pedra” a fazer parte desse grande edifício dedicado ao conhecimento.

Para o gerente de apoio educacional e marketing do Instituto Gammon, Diego Nascimento, a instituição possui raízes norte-americanas não só linguísticas no passado, mas também no seu jeito de ser e ensinar.

“Para nós hoje, ter essas parcerias internacionais traz não só um pouco da memória, mas evidencia um presente tecnológico e interativo. Estamos de olho em um futuro onde poderemos formar seres humanos capazes de entender que a socialização é uma ponte e não uma barreira para um mundo melhor”, finalizou Diego Nascimento.

Você também pode gostar