inas Gerais completa 20 anos sem registro de febre aftosa em seu rebanh

27/05/2016
Trabalho preventivo contra a doença é realizado durante todo ano pelo Instituto Mineiro de Agropecuária; primeira etapa de vacinação em 2016 termina na próxima terça-feira (31/5)

Minas Gerais completou, este mês, 20 anos sem registro de focos de febre aftosa em seu rebanho. A primeira etapa de vacinação contra a doença, realizada anualmente, termina na próxima terça-feira (31/5) em todo o estado. A vacina é obrigatória e é a principal forma de prevenção contra o vírus. A estimativa é que cerca de 23,9 milhões de animais sejam imunizados em Minas Gerais este ano, e a próxima etapa de vacinação será em novembro.

Cerca de 3.500 pessoas em diferentes regiões do estado participaram, de 2015 até agora, de mais de 200 atividades educativas realizadas pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) relacionadas à prevenção e erradicação da febre aftosa e da brucelose, doenças que podem acometer o rebanho bovino e que trazem prejuízos para a pecuária estadual.

O trabalho preventivo, que é parte das ações de educação sanitária desenvolvidas pelo Instituto, é crucial para que Minas Gerais, que possui o segundo maior rebanho bovino no país, mantenha seu status de área livre de febre aftosa com vacinação pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), o que permite ao estado acesso aos mercados internacionais e ainda garante renda para o produtor rural.

Segundo o gerente de Educação Sanitária e Apoio à Agroindústria Familiar do IMA, Gilson Sales, o Instituto não se limita a ser o gestor das campanhas de vacinação contra a febre aftosa e a brucelose. “Trabalhamos durante todo o ano junto ao produtor rural, orientando, tirando dúvidas, realizando palestras, dias de campo e outros encontros em todo o estado”, afirma.

Primeira etapa da vacinação

A campanha de vacinação contra a febre aftosa é realizada anualmente nos meses de maio e novembro. Em maio, todos os bovinos e bubalinos são imunizados, e, em novembro, os animais com até 24 meses recebem o reforço da vacina. No ano passado, o IMA registrou, nas duas etapas, índices de 97% de comprovação da vacinação contra a febre aftosa.

Para tanto, o produtor rural deve adquirir a vacina em estabelecimentos registrados para o comércio de produtos de uso veterinário, apresentando no ato da compra seu CPF. Após a compra, é fundamental a correta conservação da vacina, que deverá sempre estar numa temperatura entre dois e oito graus centígrados, de forma a garantir sua  eficácia na imunização do rebanho.

Os produtores devem adquirir  as vacinas até o dia 31 de maio e têm até 10 de junho para comprovar a vacinação dos animais perante o IMA. Esta comprovação pode ser feita de duas formas: o produtor realiza a declaração por meio do site do IMA (www.ima.mg.gov.br) ou pode levar a declaração de vacinação já preenchida, juntamente com a nota fiscal de compra das vacinas, a um dos escritórios do IMA.

O IMA realiza ações de fiscalização nas propriedades rurais durante todo o ano. O produtor que não vacinar os animais está sujeito à multa de 25 Unidades Fiscais do Estado de Minas Gerais (Ufemgs) por animal, o equivalente a R$ 75,27 por cabeça.

*Agência Minas