Em entrevista exclusiva, atriz lavrense Débora Gomez fala sobre sua nova peça em SP

12/08/2019
Aatriz Débora Gomez (centro) ao lado das atrizes Helena Ranaldi e Patrícia Gasppar.

A atriz lavrense Débora Gomez estreou neste sábado, dia 10, uma nova peça, “Cordel do Amor Sem Fim”, na capital paulista. A peça, de autoria de Cláudia Barral, tem direção de Daniel Alvin, e fica em cartaz até 8 de setembro no Sesc Santo Amaro (Rua Amador Bueno, 505).

O espetáculo narra o cotidiano simples de três irmãs que vivem à margem do velho rio São Francisco suscita temas como solidão, esperança, tempo, paixão, dor, destino, acaso, a força do feminino, e a eterna busca pela felicidade e pelo amor – questões presentes e relevantes desse mundo dito pós-moderno. O elenco conta com Helena Ranaldi, Patrícia Gasppar, Débora Gomez, Luciano Gatti e Rogério Romera.

Débora Gomez tem vários trabalhos no teatro e na teledramaturgia brasileira, tendo atuado nas novelas “Canavial de Paixões” (2003), “Esmeralda” (2009), “Os Ricos Também Choram” (2005) e “Maria Esperança” (2007) no SBT. Na Record, ela participou das novelas “Alta Estação” (2006), “Bela, a Feia” (2009) e “Escrava Mãe” (2016).

A atriz é filha do médico e compositor lavrense Eugênio Gomez e da psicóloga Carmen Miriam, e irmã da premiada dramaturga Silvia Gomez. As irmãs são sobrinhas da atriz mineira Yara de Novaes.

Em entrevista exclusiva ao Lavras 24 Horas, ela fala sobre o novo trabalho e este momento em sua carreira.

Como é o desafio de dar vida a esse texto de 2003 de Claudia Barral? Vocês ficam em cartaz até quando coma peça?

O texto da Cláudia Barral tem o amor como ponto de partida. É doce e potente. Inquietante e leve. Um alento, uma raridade, uma lufada de ar fresco para os dias de hoje.

Fale um pouco sobre a sua personagem e quais os desafios de interpretá-la.

Tereza é uma menina-mulher que acredita profundamente no amor e espera um rapaz que lhe prometeu voltar. E nessa infinita espera ela se mantém viva, alerta, esperançosa e alegre. É desafiador viver uma menina tão doce e forte, cheia de sutilezas e que não perde a alegria.

Como é trabalhar com esse elenco estelar?

Maravilhoso. Foi um encontro especial… Me sinto privilegiada de estar ao lado de atores que tanto admiro.

Como você vê a situação das artes no Brasil sob o governo de Jair Bolsonaro?

Completamente desvalorizada. Infelizmente, estamos caminhando para um retrocesso cultural enorme. Fazer teatro em um momento como esse é resistir, nadar na contramão.

Algum plano para quem sabe um dia se apresentar em Lavras numa peça de teatro?

Amaria! Mas, por enquanto, sem previsão.

Algum trabalho em vista na TV?

Acabei de gravar o piloto de uma série chamada “Invisível”. Por enquanto não tem previsão de quando vai ao ar, espero que em breve!

Qual a sua mensagem final para os lavrenses?

Eu saí de Lavras há algum tempo, mas a cidade nunca saiu de mim. Amo nossa terrinha e as pessoas generosas que fazem parte dela. Tenho saudade constante de estar aí. Gostaria de aproveitar e convidar a todos para assistirem “Cordel do Amor sem fim” aqui em São Paulo! Será uma alegria ter conterrâneos queridos na plateia.

Mais informações sobre a peça aqui.

Você também pode gostar