Dissertação de aluna da Ufla mostra apogeu e decadência da Praça da Estação em Lavras  

13/07/2015
A pesquisadora Iracema Alves

A pesquisadora Iracema Alves

A pesquisadora Iracema Clara Alves Luz

Um dos símbolos mais importantes da zona norte da cidade,  a Praça Dr. José Esteves, a  “Praça da Estação”, teve sua história recontada por uma aluna da uma aluna da Universidade Federal de Lavras (Ufla).

Foto histórica do evento de inauguração da Praça José Esteves em 1969

Foto histórica do evento de inauguração da Praça José Esteves em 1969

O trabalho é fruto de uma dissertação de mestrado escrita Iracema Clara Alves Luz e traça um amplo painel do papel desempenhado pelo espaço, de seu apogeu nas décadas de 40 a 70 por conta da industrialização de seu entorno, até à sua total degradação a partir da década de 90, quando ocorre a privatização da Rede Ferroviária S/A. Ela revela que esse processo trouxe mudanças arquitetônicas ao prédio original da estação ferroviária, destruição e vandalismo aos prédios da rede ferroviária, falta de cuidados para com os jardins da praça, ocupação de moradores de rua e usuários de drogas nas imediações  e na própria Praça da Estação.

Praça da Estação em 2015: degradação e abandono dela e seu entorno

Praça da Estação em 2015:

“A pesquisa quis mostrar que havia uma beleza não só com relação à estética da praça, mas principalmente como ela era importante para a memória afetiva do cidadão. Quis apontar que a evolução dos acontecimentos da cidade não foi generosa com ela”, disse Iracema.

Para realizar a pesquisa, ela mergulhou em fotos, documentos antigos, realizou entrevistas com ferroviários, leu livros, e visitou acervos públicos e particulares – o arquivo do jornal Tribuna de Lavras serviu de base para o trabalho.

situação de abandono e decadência do prédios da antiga Rede Ferroviária Federal

situação de abandono e decadência do prédios da antiga Rede Ferroviária Federal

A tese de mestrado intitulada Evolução Histórico-Cultural  e Paisagística da Praça Dr. José Esteves e Entorno em Lavras – MG teve orientação da professora Patrícia Duarte de Oliveira Paiva e coorientadora  Drª. Shirley Cavalcante Alves. O trabalho será publicado em livro de forma resumida em breve.