Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

18/05/2019

 

 

No dia 18 de maio é instituído como o “Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes” a partir da aprovação da Lei Federal nº. 9.970/2000.

No Brasil, 95% dos casos desse tipo de violência são praticados por pessoas conhecidas das crianças. Em 65% dos casos há a participação de pessoas do próprio grupo familiar.

Vivenciar um trauma de abuso sexual pode impactar de maneira devastadora sua integridade desencadeando o desenvolvimento de transtornos de personalidade, quadros graves de depressão ou ansiedade, transtorno de estresse pós-traumático, desenvolve sentimento de culpa, dificuldades em se vincular afetivamente estabelecendo relações de confiança. Assim, é fundamental que pais e professores fiquem atentos à linguagem não-verbal de pedidos de ajuda.

O abusador tem uma zona de conforto, que é sua hierarquia (pai e filha, mãe e filho, etc).

Nos casos de abusos e maus tratos pode-se dizer que a pessoa tem condutopatia (conduta patológica). É normal, mas pratica atos anormais, ou seja, tem enfermidade de caráter.

É como se a própria criança tivesse feito algo sensual para provocar o desejo no outro. Então, se sentem culpadas e envergonhadas e muitas vezes são desacreditadas pelos pais.

Padrastos não são denunciados por medo das mães perderem seus relacionamentos, são coniventes.

Quem tem um filho que foi abusado sexualmente passa por um processo de luto. Com os seguintes estágios: negação, raiva,  barganha (vou ser uma pessoa melhor, vou prestar mais cuidado), depressão (se sente impotente diante da situação) e aceitação (vida que segue).

Então, por isso é importante não só a criança fazer terapia, mas os familiares também para poder lidar com esta situação tão delicada.

Vale ressaltar que existe diferença entre abuso e exploração sexual. No primeiro envolve contato sexual entre uma criança ou adolescente e um adulto, isto acontece quando o adulto utiliza o corpo de uma criança ou adolescente para sua satisfação sexual. Já a exploração sexual é quando se paga para ter sexo com a pessoa de idade inferior a 18 anos.

Quanto as estatísticas de Lavras que hoje tem uma população de 102 mil habitantes, o ano de 2015 foi o ano de maior incidência de estupro de vulnerável (menor de 14 anos, deficiente mental e quem não tem possibilidade de oferecer resistência). Atualmente este índice vem diminuindo, mas não podemos baixar a guarda! Proteja nossas crianças e adolescentes recorrendo ao Conselho Tutelar 3694-4156 ou discando 100. Afinal, quem cala consente!

Texto: Drª Michele Rocha

Advogada – OAB/MG 148.276

Você também pode gostar