CUNI aprova políticas construídas de forma coletiva para guiar o campo cultural na UFLA

Publicado em 21/06/2022

 

 

O Conselho Universitário (CUNI) acaba de aprovar dois instrumentos construídos de forma colaborativa para guiar o campo cultural na Universidade Federal de Lavras (UFLA): a Política Cultural e a Política de Preservação e Valorização do Patrimônio Cultural e Científico. Os documentos estabelecem elementos fundamentais para o fomento da cultura na Universidade e a preservação de seu patrimônio cultural e científico.

A pró-reitora de Extensão e Cultura, professora Christiane Maria Barcellos Magalhães da Rocha, ressalta que a “a aprovação dessas políticas pelo CUNI demonstra a importância e impulsiona o entendimento de que cultura, arte e patrimônio são partes fundamentais das atividades da UFLA e devem ser construídas com o apoio de todos nós. Não devemos esquecer que a Proec é Pró-Reitoria de Extensão e Cultura: a extensão é atividade finalística da universidade e a cultura vem ao lado, demonstrando sua importância. Essa cultura, que muitas vezes é indissociada da extensão, mas nem sempre, é parte fundamental da formação integral dos sujeitos”.

Política Cultural

A proposta de formulação da Política Cultural da UFLA surgiu em dezembro de 2020, a partir da participação dos servidores do Centro de Cultura no IV Fórum Nacional de Gestão Cultural das Instituições de Ensino Superior (Forcult). No evento, eles tiveram contato com outras instituições que estão em processo de construção ou implementação de suas políticas culturais e tiveram acesso ao “Guia Forcult: Instrumento para implementação de política cultural e planos de cultura nas Ifes”.

Em junho de 2021, a Proec designou a comissão para a elaboração da Política Institucional de Cultura, com ampla representatividade: sua composição incluiu técnicos administrativos, docentes, discentes, representantes da comunidade e do poder público, além de representantes de diferentes categorias de áreas culturais: música, teatro, literatura, patrimônio cultural e estudos culturais.

Também participaram da elaboração do documento os estudantes bolsistas vinculados ao programa Música no Centro de Cultura. A Comissão contou, ainda, com o apoio do Observatório de Políticas Públicas da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (OPP/FCSA).

Após a elaboração da minuta, o documento foi submetido à consulta pública, momento no qual a sociedade teve a oportunidade de apresentar sugestões para o aperfeiçoamento do texto, com base em suas demandas.

Entre os elementos da Política Cultural, destacam-se os princípios, diretrizes e objetivos, que serão norteadores do planejamento das atividades culturais da Instituição. O documento também apresenta categorias de áreas culturais e de ações culturais.

Além disso, estabelece uma estrutura organizacional que será responsável pela gestão cultural na instituição e a realização de um Fórum de Cultura para a elaboração do Plano de Cultura da universidade. Todos esses elementos poderão auxiliar as unidades administrativas e acadêmicas no planejamento de sua programação regular de extensão e cultura.

Para o regente da UFLA e presidente da comissão que elaborou a minuta do documento, Daniel Paes de Barros, “a aprovação da Política Cultural é um importante marco no reconhecimento da cultura na vida universitária e de suas contribuições para a formação de toda a comunidade acadêmica. Entretanto, ela marca apenas o início de um longo caminho que se abre pela frente, na busca por uma gestão profissionalizada da cultura na instituição, capaz de ampliar as contribuições que ela pode oferecer”.

Acesse a Resolução que dipõe sobre a Política Cultural da UFLA

Política de Preservação e Valorização do Patrimônio Cultural e Científico

thumbs museu historia naturalEm maio de 2021, foi designada a comissão responsável por elaborar a política institucional direcionada à Preservação e Valorização do Patrimônio Cultural e Científico da UFLA. O documento foi construído colaborativamente por servidores da UFLA, técnicos administrativos e docentes que atuam transversalmente nas áreas da museologia, gestão, memória institucional, educação e extensão universitária.

A elaboração do documento também contou com a participação de profissionais de outras instituições, como o Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST-RJ) e Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio). Em seguida, a minuta foi disponibilizada para consulta pública, com o objetivo de agregar contribuições de toda a sociedade.

A Política de Preservação e Valorização do Patrimônio Cultural e Científico da UFLA guiará a instituição no que diz respeito a ações e processos de identificação, reconhecimento, conservação, normatização e difusão do patrimônio cultural e científico da Universidade.

O documento tem como objetivo ampliar as atividades de  preservação do patrimônio cultural universitário (material e imaterial); estabelecer práticas para a construção colaborativa dos instrumentos de preservação e avaliação; e institucionalizar as ações de valorização do patrimônio cultural e memória institucional.

De acordo com a museóloga da UFLA e presidente da comissão, Patrícia Muniz, a elaboração da política insere-se em “um processo de revisão crítica e de aprimoramento das práticas da UFLA no campo da preservação do patrimônio cultural e científico. Por meio dessa política, são estabelecidos princípios e diretrizes  que nortearão as condutas dos gestores e colaboradores no que diz respeito à construção, preservação e valorização do nosso patrimônio cultural e científico”.

Acesse a Resolução que dispõe sobre a Política de Preservação e Valorização do Patrimônio Cultural e Científico

Mais ações culturais

Paralelamente à elaboração das políticas, estão sendo desenvolvidas diversas atividades para ressignificar e valorizar o patrimônio cultural e científico da Universidade. Em 2020, foi criado um site para intensificar a publicização dos Museus da UFLA, com diferentes informações sobre o Museu Bi Moreira e o Museu de História Natural. Atualmente, também estão sendo criados os Regimentos Internos dos museus, que  estabelecem normativas para o melhor funcionamento desses espaços.

Com o retorno das atividades presenciais, as visitas ao Museu de História Natural voltaram a ser agendadas. Neste segundo semestre, o prédio Álvaro Botelho, que abriga o Museu Bi Moreira, completa 100 anos de histórias e passará por reformas, para ser reaberto ao público em breve.

Veja também