Confira a crônica de Paulo Curió desta sexta (11/01)

11/01/2019
Escritor Paulo Curió - Arquivo pessoal

HUA MULAN 

A paixão, às vezes, surge cedo demais, e antes mesmo de terminar o terceiro ano, casou. Por escolha, trocou as baladas, as aventuras, pelo desafio da vida a dois. Só quem já passou por isso conhece as dificuldades. É como andar na contramão, todos a sua volta parecem julgar, afinal, jovens, que nada sabem da vida ou do mundo, deveriam explorar as possibilidades antes de uma decisão tão importante. No fundo não há o que lamentar. Quando a felicidade aponta no horizonte, apenas seguimos em sua direção.

Após quinze anos de casamento, a separação, e com ela um turbilhão de incertezas. Sua independência, apesar de muito precoce, era compartilhada, mas a partir de agora seria responsável por si, e ninguém mais. É natural, dentro de um casamento, que cada um tenha seus afazeres para melhor funcionamento da relação e da casa, absorver tudo não é fácil. Tudo era novo e desafiador. Ela conseguiu! Apaixonada pelo que faz, dedicou-se ainda mais a sua carreira. Juntou dinheiro, adquiriu sua casa, viajou sozinha pela Europa, descobriu-se. Nem todas as experiências foram boas, é claro, mesmo assim, a cada batalha, uma vitória. Do seu jeito, no seu tempo, amadureceu.

Workaholic que só, pouco visitava sua família. Naquele mês, já com metas batidas antecipadamente, decidiu visitar sua mãe. Era a primeira vez que voltava, após a separação, a cidade onde passou parte de sua adolescência. Visitou lugares. Reencontrou amigos. Reviveu o passado. As festividade de fim de ano, naturalmente, nos deixam saudosistas. Mas havia algo a mais. Imaginou como seria sua vida se tivesse desfrutado sua adolescência de outra maneira. Não era arrependimento, afinal seu casamento deu certo por quinze anos, só exercitou a imaginação. Seus pensamentos vagaram distantes. Percebera que pouco sabia sobre a vida e seus prazeres. De como as escolhas podem ser leves. Da importância de agir duas vezes antes de pensar.

Quando voltou pra casa estava diferente, já questionava a existência da “ordem natural da vida”, afinal, aos trinta, sentia uma necessidade de se aventurar. No peito apenas uma certeza, sua adolescência ainda estava por vir.

Paulo Curió

Você também pode gostar