Blitz educativa alerta sobre o uso do cinto de segurança será realizada na Rodovia Fernão Dias

13/03/2019
Imagem: Pexels

Nesta quinta-feira (14/04), a Arteris Fernão Dias,  concessionária que administra a BR-381 realizará uma blitz educativa com ônibus de viagens, para alertar passageiros e motoristas sobre a importância do uso do cinto de segurança. A campanha “Tô de cinto tô seguro”, é promovida em parceria com a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e Polícia Rodoviária Federal (PRF), tem por objetivo sensibilizar empresas e usuários de transporte coletivo.

A blitz tem início as 9h, no posto de fiscalização da PRF, no km 871, canteiro central, em Pouso Alegre/MG. “Precisamos motivar motoristas, passageiros e a população em geral para refletir sobre os riscos de viajar sem o cinto de segurança e chamar a atenção para a importância do respeito à vida”, diz Maria José Finardi, coordenadora de sustentabilidade.

A ação também terá a participação do Projeto Escola Arteris, programa que leva a educação no trânsito para escolas públicas de cidades vizinhas às rodovias. “A educação é o caminho mais eficiente para reduzir fatalidades em nossas estradas. Por isso engajamos os participantes do projeto nessa ação, que também visa alertar sobre a importância do cinto de segurança”, explica a coordenadora dos projetos de educação da Arteris, Maria José Finardi.

Uso do cinto ainda é reduzido

No Brasil, o uso do cinto de segurança é obrigatório para todos os ocupantes do veículo. A infração por passageiro sem cinto é considerada grave pelo Código de Trânsito Brasileiro e o não cumprimento da norma pode acarretar a perda de pontos na carteira, além da multa.

Um estudo realizado pela Arteris com 387 motoristas do Estado de Minas Gerais, entre os dias 27 e 28 de agosto de 2018, examinou a frequência com que os condutores utilizam o cinto de segurança. De acordo com a pesquisa, quase 9% dos entrevistados alegaram que, ainda que raramente, deixam de utilizar o cinto de segurança.  E 35,3% dos motoristas mineiros, não exigem que os passageiros usem o dispositivo.

 

*Divulgação

Você também pode gostar