Ùltima chuva de meteoros do ano poderá ser vista a olho nu

12/12/2017

Na madrugada de quarta (13) para quinta-feira (14), ocorrerá a melhor chuva de meteoros do ano, as Geminídeas. Mas o que são chuvas de meteoros?

Para responder à essa pergunta convidamos o astrônomo amador Marcos da Silva, membro da Brazilian Meteor Observation Network (BRAMON), para explicar aos leitores do Lavras 24h: “Chuvas de meteoros acontecem devido a passagem da Terra por uma trilha de poeira deixados por um cometa enquanto faz sua órbita em torno do Sol. À medida que a Terra se aproxima dessa trilha a chuva começa a aumentar sua intensidade chegando até o dia do pico máximo e nos dias seguintes o número de meteoros por hora volta a diminuir gradualmente.”

“Durante o pico das Geminídeas que é o que acontece essa semana, podem ser observados até 120 meteoros por hora no Hemisfério Norte. No hemisfério Sul o número é um pouco menor, em torno de 70 meteoros no Norte e Nordeste do Brasil, lugares com as melhores taxas de observação no país.O corpo parental das Geminídeas, ou seja, o corpo de onde saem os meteoros que adentram a nossa atmosfera é o asteróide Phaethon, nome de um personagem da mitologia grega,filho de Helius, o deus do Sol. Esse asteróide passa muito perto do Sol a cada 1 ano e 5 meses, daí vem o seu nome.”

Os astrônomos acreditam que esse asteróide possa ser o núcleo extinto de um cometa que originou as Geminideas. Para observar a chuva não é necessário segundo o observador ter equipamentos específicos, apenas paciência e atenção: “O radiante se encontra na constelação de Gêmeos, a aproximadamente 1° a oeste da estrela Castor. Surge no horizonte Leste às 21:50 do dia 13/11, porém a melhor hora para observação é a partir das 02:57 do dia 14, horário em que o radiante se encontra em sua máxima altitude na esfera celeste.

Para isso vale a dica de quem entende do assunto: “escolha bem o seu local de observação, com pouca poluição luminosa. Lembramos também aos adeptos de observação lunar com telescópios que a Bramon-Brazilian Meteor  Observation Network está realizando uma campanha de registro de possíveis impactos na Lua. Devido a baia iluminação do nosso satélite natural pode ser que aconteçam impactos em sua superfície, mais precisamente na porção não iluminada. Junte-se a nós e bons céus a todos.”
Sobre a BRAMON

A BRAMON é uma organização sem fins lucrativos cuja missão é desenvolver e operar uma rede para o monitoramento de meteoros. Marcos é responsável pela estação CMS1 que fica em Luminárias. Em todo estado de Minas Gerais, são 13 locais de monitoramento ativos, uma unidade também será  implantada em Lavras, e poderá servir de base para estudos em Matemática, Química, Física e História, através de projetos com escolas da cidade.