Previsão do tempo aponta mais temporais à vista em Minas Gerais

20/02/2018

 

 

A chuva do fim da tarde de ontem trouxe transtornos para motoristas, principalmente na Região do Venda Nova, devido a alagamento, e Centro-Sul, com queda de energia, que deixou apagados semáforos entre os bairros São Lucas, Funcionários e Serra e causou engarrafamento. E, de acordo com o Climatempo, esta é uma semana de atenção para a Região Sudeste do Brasil. Mudanças na circulação dos ventos em vários níveis da atmosfera vão facilitar a formação de fortes áreas de instabilidade que poderão provocar temporais em todos os estados.

Hoje e amanhã em Minas, somente no Vale do Jequitinhonha o sol deve aparecer entre nuvens, com possibilidade de chuvas leves e isoladas. No restante do estado, principalmente na Zona da Mata, Sul e Triângulo, a previsão é de precipitações de alta intensidade. Na Região Metropolitana de Belo Horizonte, elas devem variar de moderadas a fortes. O Sudeste do país vai passar toda a semana recebendo ar quente úmido vindo do Centro-Norte brasileiro.

Entre a quinta e sexta-feira, uma frente fria que se forma no Sul segue em direção ao Sudeste. A intensificação de uma área de baixa pressão atmosférica no interior do Sudeste brasileiro e o deslocamento de uma frente fria pelo litoral da região deixa as áreas de instabilidade ainda mais fortes sobre Minas Gerais, Rio Janeiro e Espírito Santo. Mais nuvens carregadas se formam sobre esses três estados e o risco de temporais é maior. As pancadas podem ocorrer várias vezes no decorrer do dia, podendo chover forte inclusive na Grande Belo Horizonte. Ontem, na capital mineira, já era possível ver aglomerados de nuvens carregadas (manchas avermelhadas).

Com as precipitações de forte intensidade são inevitáveis os transtornos, como ocorreu ontem em Venda Nova, onde houve inundação na Avenida Vilarinho, entre as ruas dos Mamoeiros e Domingos Grosso. Porém, de acordo com a Coordenadoria Municipal de Defesa Civil de Belo Horizonte, foi um alagamento pontual, já que o nível do córrego sob a via não se elevou a ponto de transbordar. Dificuldades de escoamento nas galerias pluviais teriam provocado a cheia. Na região, de acordo a Comdec-BH, choveu 20 milímetros em 10 minutos.

Na Avenida do Contorno, vários semáforos ficaram desativados por cerca de uma hora e meia. De acordo com a Cemig, ocorreu um problema técnico na subestação do Bairro Santa Efigênia, das 16h10 às 17h31, que responde pela distribuição de energia elétrica em parte da Região Centro-Sul. Com isso, sem os sinais luminosos, houve entrave no trânsito no cruzamento das Avenidas Afonso Pena com Contorno, na Serra, e na Francisco Sales com Contorno, no Santa Efigênia, que acabou refletindo em engarrafamentos nos principais corredores da região. Segundo a empresa, houve queda de energia em outras áreas da Região Metropolitana de Belo Horizonte, mas casos pontuais que foram resolvidos.

A BHtrans informou que enviou agentes para os dois locais, mas, devido ao tráfego complicado, quando eles chegaram a energia elétrica já havia retornado e a sinalização eletrônica retomada. Em vários pontos da cidade houve casos de semáforos em flash, o que acabou prejudicando o trânsito. No começo da noite, de acordo com o site Maplink, a capital mineira registrava 95 quilômetros de tráfego lento, na maioria em corredores da área central.

VOLTA ÀS AULAS Pela manhã, a capital já havia enfrentado o desafio da volta às aulas e o fim do carnaval. O trânsito ficou complicado em vários pontos de Belo Horizonte, com registro de 67 quilômetros de tráfego lento, conforme o Maplink. O entorno da rodoviária de Belo Horizonte teve problemas já no começo da manhã, com a movimentação de passageiros que esticaram o feriadão ainda mais e desembarcaram na cidade. De acordo com a BHTrans, houve lentidão nos principais corredores de acesso ao Centro de BH, como avenidas Pedro II, Antônio Carlos e Cristiano Machado.

Fonte: Landercy Hemerson/Portal Uai