Oratório dedicado a Nossa Senhora é restaurado na Matriz de Sant’Ana

20/05/2015
Ícone de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro
Ícone de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

Ícone de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

 

Umas das peças sacras mais antigas da Igreja Matriz de Sant’ana ganhou vida nova após passar por uma obra de restauro nos últimos meses.

Trata-se do oratório dedicado a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro que permanece do lado direito do templo, bem ao lado do batistério da paróquia. Feito todo em madeira, a peça traz o ícone de Maria Santíssima.

A recuperação da peça ficou a cargo do escultor e restaurador lavrense Alexandre Reis de Souza, que já havia restaurado o altar e a porta central da igreja, dentre outros trabalhos realizados em Lavras e na região.Ele contou que a peça precisou ser imunizada contra cupins e sua base teve de ser reconstituída porque podre.”Foi removido todo o verniz antigo e usadas folhas de ouro nas partes douradas. A parte de traz também foi fechada”. O trabalho demorou seis meses para ficar pronto.

“Eu gostei muito do resultado final do trabalho. É um bonito altar a Nossa Senhora e tem um valor devocional sobre os fiéis. Ele é muito antigo, pois meu pai se recorda dele quando criança. Minha mãe afirma que a gravura foi doada por  padres da Missão Redentoristas”, disse Alexandre.

História

Muito venerado no oriente desde tempos imemoriais, o ícone de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está entre as mais expressivas invocações a Maria, Mãe de Deus. O quadro original é uma pintura em estilo bizantino, sobre madeira, de 54 x 41,5cm, onde se entrelaçam a arte e a piedade, a elegância e a simplicidade.

A tradição popular narra que um comerciante teria roubado o quadro na ilha de Creta, no século XV, e o levado para Roma, de navio. Conta-se que, durante a viagem, uma forte tempestade colocou em perigo a vida dos passageiros e somente com a intervenção de Nossa Senhora eles conseguiram se salvar. Mais tarde, antes de morrer, o comerciante decidiu confiar o ícone a um amigo para que o levasse a uma igreja da cidade, a fim de devolvê-lo à veneração pública.

Então, o quadro foi entregue à igreja de São Mateus, onde permaneceu durante 300 anos. Com a invasão de Roma pelos franceses, em fins do século XVIII, a igreja foi destruída e os religiosos agostinianos que ali trabalhavam levaram o ícone para outro lugar, onde ficou guardado e esquecido.

Peça foi restaurada por artista lavrense

Peça foi restaurada por artista lavrense

Em 19 de janeiro de 1866, o Papa Pio IX confiou o quadro de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro aos missionários redentoristas, com a incumbência de torná-lo conhecido e amado em todo o mundo e de divulgar a devoção ao Perpétuo Socorro de Maria, cuja festa é celebrada no dia 27 de junho.

Depois de restaurado, o ícone foi devolvido à veneração pública e entronizado solenemente na igreja de Santo Afonso, construída sobre as ruínas da antiga igreja de São Mateus e de São João de Latrão.

O quadro é o ícone da tradição bizantina mais venerado no mundo, graças ao trabalho dos redentoristas.

A devoção ao ícone de Nossa Senhora

O quadro de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro constitui um admirável ícone oriental. Com termos de origem grega (“eikón”), que significa imagem, pintura ou quadro. Trata-se de uma pintura sagrada, feita em madeira, segundo técnicas e tradições seculares. Os ícones podem representar Jesus Cristo, a Virgem Maria, os Anjos ou os Santos. Obedecem a normas bem precisas sob o ponto de vista artístico e teológico.

Possuem como fundamento a encarnação do Verbo de Deus. A encarnação é o mistério cristão básico no qual a Igreja reconhece que a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade se fez homem no seio da Virgem Santíssima por obra do Espírito Santo (Mt 1, 18-25;Lc 1, 26-38). Encarnando-se, o Filho de Deus tornou-se visível (Jô 1, 1-17; 6, 1-6). O ícone procura representar esse Deus divino e humano.

O ícone é uma espécie de sacramental, um sinal da graça, um auxílio para a vida espiritual dos cristãos. Assim como Jesus Cristo, Aquele que assume a história humana e torna-se a revelação concreta da Palavra de Deus, é a imagem de Deus invisível (Cl 1, 15; Heb 1,3), o ícone é a imagem artística e religiosa do Transcendente e Invisível, levando à oração e à meditação aqueles que o contemplam.

O significado do quadro

No quadro de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, tudo tem seu significado: as cores, as legendas, as atitudes e até os detalhes.

  1. Abreviação grega de “Mãe de Deus.”
  1. Coroa de ouro: o Quadro original foi coroado em 1867 em agradecimento dos muitos milagres feitos por Nossa Senhora em seu título preferido “Perpétuo Socorro”.
  1. Estrela no véu de Maria, a Estrela que nos guia no mar da vida até o pôrto da.salvação.
  1. Abreviatura de “Arcanjo S. Miguel”.
  1. Abreviatura de “Arcanjo S. Gabriel”.

*6. São Miguel apresenta a lança, a vara com a esponja, e o cálice da amargura.

  1. A boca de Maria é pequenina, para guardar silêncio, e evitar as palavras inúteis.

*7. São Gabriel com a cruz e os cravos, instrumentos da morte de Jesus.

  1. Os olhos de Maria, grandes voltados sempre para nós, afim de ver todas as nossas necessidades.
  1. Túnica vermelha, distintivo das virgens no tempo de N.Sra.
  1. Abrev. de “Jesus Cristo”.
  1. As mãos de Jesus apoiadas na mão de Maria, significando que por ela nos vêm todas as graças.
  1. O fundo todo do Quadro é de ouro, e dele esplendem reflexos cambiantes, matizando as roupas e simbolizando a glória do paraíso para onde iremos, levados pelo perpétuo socorro de Maria. ‘O quadro de N. Sra. do Perpétuo Socorro é a síntese da Mariologia”.
  1. Manto azul, emblema das mães daquela época. Maria é a Virgem-Mãe de Deus.
  1. A mão esquerda de Maria sustendo Jesus: a mão do consolo que Maria estende a todos que a ela recorrem nas lutas da vida.
  1. A sandália desatada – símbolo talvez de um pecador preso ainda a Jesus por um fio – o último – a Devoção a N. Senhora!

* Os números 6 e 7 apontam primeiro os anjos e, logo após, a boca e os olhos de Maria.