Em Minas Gerais, quase 600 mil pessoas vivem em favelas, afirma IBGE

21/12/2011

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística divulgou nesta quarta-feira (21) pesquisa indicando a quantidade de pessoas residentes em favelas no Brasil, identificadas pelo instituto como aglomerados subnormais. Com dados referentes ao ano de 2010, o IBGE concluiu que 3,1% da população mineira vive nestas localidades (600 mil habitantes), que são encontradas em 33 dos 853 municípios do Estado. O índice é inferior à média nacional, 6,0%. Na capital mineira, mais de 307 mil pessoas moram nos 169 aglomerados da cidade. 

O maior aglomerado do Estado está em Betim, o Santo Antônio/Jardim Terezópolis. Ele é o 24º maior do país, com pouco mais de 23 mil habitantes. Em Belo Horizonte, o maior aglomerado é o Cabana do Pai Tomás, com mais de 17 mil pessoas. A primeira maior do ranking nacional é a Rocinha, no Rio de Janeiro, com cerca de 70 mil moradores.

Os municípios com maior índice de moradores em aglomerados em Minas são Coronel Fabriciano e Vespasiano, com mais de 20% dos habitantes vivendo em favelas, e Caratinga, com 18%. Na capital mineira, o índice chega aos 13%, com mais de 307 mil habitantes em aglomerados subnormais, a sétima entre as capitais brasileiras.

Na capital mineira, 98% das casas em aglomerados subnormais têm energia elétrica, 99,6% têm acesso à rede geral de água. Em todo o Estado de Minas Gerais, somente 1,7% dos domicílios em aglomerados usam fossas sépticas, e cerca de 85% estão conectados às redes de esgoto.  

 
6% da população brasileira vivia em favelas em 2010
 

Aproximadamente 11,4 milhões de pessoas em todo o país moravam em assentamentos irregulares, como favelas, comunidades de baixa renda, invasões, em 2010. O número representa 6% da população brasileira. Elas ocupavam 3,2 milhões de domicílios, concentrados principalmente na Região Sudeste (49,8%), com destaques para os estados de São Paulo (23,2%) e do Rio de Janeiro (19,1%). Por outro lado, as regiões Sul (5,3%) e Centro-Oeste (1,8%) detinham o menor número dessas comunidades de baixa renda. Ao todo, havia no país no ano passado 6.329 favelas em 323 municípios.

A constatação faz parte do levantamento Aglomerados Subnormais – Primeiros Resultados, divulgado hoje (21) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estudo, feito com base nas informações do Censo Demográfico 2010, traz uma radiografia sobre esses assentamentos com no mínimo 51 unidades habitacionais, carentes, em sua maioria, de serviços públicos essenciais e dispostos, em geral, de forma densa e desordenada. Em 1953, o IBGE fez um estudo semelhante, com base em dados do Censo de 1950, porém com informações do antigo Distrito Federal, no Rio de Janeiro.

De acordo com o documento apresentado hoje, a Região Sudeste também agrupava quase metade dos municípios onde havia registro desse tipo de comunidade: 145 ao todo. A maioria (75) estava localizada nas regiões metropolitanas e o restante em municípios do interior dos estados. O mesmo padrão, embora em menor escala, foi observado na Região Sul, onde havia 51 municípios com ocorrência de favelas, dos quais 38 em regiões metropolitanas.

Na Região Nordeste, os 70 municípios com comunidades de baixa renda se concentravam nas regiões metropolitanas e na Região Centro-Oeste, apenas nove municípios tinham os chamados aglomerados subnormais, sendo oito também nas regiões metropolitanas.

O estudo revela, por outro lado, que a Região Norte tem configuração distinta. A maior parte dos 48 municípios com essa condição estavam localizados no interior dos estados do Amazonas, do Pará e do Amapá, principalmente em áreas ribeirinhas sujeitas a inundações periódicas.

Você também pode gostar