CONHEÇA A CAMÉLIA

Artigo - Alessandra Teixeira Silva
6 de setembro de 2010

Alessandra Teixeira da Silva

Engenheira Florestal

alepaisagismo@gmail.com

 

Botânica: De acordo com a classificação botânica (ordenação das plantas em categorias hierárquicas), a camélia pertence ao Reino Plantae; Divisão Magnoliophyta (angiospermas); Classe Magnoliopsida e família Theaceae. Apresenta o nome científico de Camellia japonica e sinonímia botânica Thea japonica. É conhecida popularmente por Japoneira ou simplesmente Camélia. O gênero Camellia foi descrito pelo naturalista “Carl Von Linné” em sua obra magna Species plantarum, e assim designado em homenagem ao missionário jesuíta “Georg Kamel”. Algumas espécies deste gênero pertenciam ao gênero Thea, mas este epíteto foi sinonimizado com Camellia quando se observou que Camellia e Thea não apresentavam qualquer diferença significativa entre si.

Origem: Este gênero (Camellia) apresenta cerca de 80 espécies nativas das florestas da India, Sudeste Asiático, China e Japão.

Características gerais: A camélia pertence a mesma família do chá. Apresenta o tronco  lenhoso e suas folhas são elípticas, cerosas e coriáceas, serrilhadas ou denteadas. A folhagem é brilhante e se mantém firme o ano todo e, nos meses que correspondem o inverno, cobre-se de uma floração espetacular que por sua vez podem ser solitárias, de diversos tipos, podendo ser grandes ou pequenas, simples ou dobradas, de diversas cores, sendo que as mais comuns são as brancas, as róseas e as vermelhas. A propagação é feita por sementes, estacas retiradas das pontas dos ramos de plantas adultas e sadias e, também, por alporquia (este método é o mais complicado e exige muita técnica). O clima ideal para o cultivo é o ameno, pois a planta não se adapta bem a temperaturas elevadas. Por outro lado, a camélia é bem resistente ao frio, inclusive às geadas. Pode ser cultivada à meia-sombra, desde que receba luz solar direta algumas horas por dia. As regas devem ser freqüentes nos primeiros meses após o plantio da muda e, depois, podem ser espaçadas, evitando o encharcamento do solo. Para estimular a floração, pode-se incorporar à terra uma mistura de 100g de farinha de osso com 50g de torta de mamona.

Utilização em paisagismo: É necessário que o paisagista conheça bem o local para fazer o planejamento, pois sua utilização em paisagismo é ampla, adequando-se a jardins europeus, orientais e contemporâneos. As Camélias podem ser utilizadas isoladamente ou em grupos. A época de sua floração varia de acordo com o clima em que está inserida, podendo ocorrer desde o outono/inverno até durante ano todo em regiões mais quentes. As camélias cultivadas em jardim podem manter um belo visual quando podadas após a floração.  As flores podem ser colhidas e são bastante duráveis, desde que não sejam manipuladas, pois podem ficar com manchas escuras. Pela sua exuberante floração, até serviram de inspiração para o romance A Dama das Camélias, de Alexandre Dumas Filho.

Importante:
O conteúdo desta publicação é de inteira responsabilidade do colunista que a escreve e não necessariamente representa a opinião do Lavras24horas ou de qualquer um de seus associados.