Carro suspeito de participar de execução de Marielle é achado em Minas Gerais

18/03/2018
(foto: Reprodução/Facebook)

Investigadores encontraram em Minas Gerais um dos veículos que teria sido usado pelos criminosos que tiraram a vida da vereadora Marielle Franco (Psol-RJ) e do motorista dela, Anderson Pedro Gomes, no Centro do Rio de Janeiro. Uma denúncia anônima trouxe o foco das investigações para a cidade de Ubá, na Zona da Mata de Minas. A polícia mineira acionou os investigadores fluminenses, que encaminharam a perícia para o local neste domingo.

A vereadora e o motorista foram assassinados em emboscada na noite de quarta-feira, quando voltavam de um evento político na Lapa. Uma assessora da parlamentar sobreviveu ao ataque e informou, em depoimento à polícia, que a vereadora não deu indícios de que estava sob ameaças. Quatro dias antes de ser executada, Marielle havia denunciado abusos em ações da Polícia Militar em Acari.

A reportagem do Em.com.br conversou com um comerciante da Rua Rio Grande do Sul, onde o carro foi apreendido, em Ubá. Segundo o homem, que preferiu não se identificar, o carro com placa do Rio de Janeiro talvez não seja o usado pelos assassinos da vereadora. “Acho que não é esse carro, não. As pessoas estão falando aqui que ele (o carro) já está na cidade há mais de um ano. O dono vai na segunda-feira com o advogado retirar ele lá na delegacia”, contou.

Disse ainda, que, ao contrário do que as primeiras informações dão conta, o carro não teria sido abandonado lá na quinta-feira. ” Eu não moro na rua, venho trabalhar aqui todos os dias. O que os moradores falam é que o carro fica estacionado na rua, maas que sai e volta”, informou. O veículo suspeito foi apreendido e levado para uma delegacia de Ubá. Agentes da Polícia do Rio de Janeiro vão periciar o veículo.

Investigação

Até o momento, as investigações da Polícia Civil do Rio de Janeiro apontaram que arma usada no crime é uma pistola 9mm, e que as munições usadas pelos assassinos pertenciam a um lote vendido para a Polícia Federal de Brasília, em 2006.

Os criminosos estavam em dois carros pratas, que seguiram a vereadora até o momento da abordagem. Um dos veículos é um Cobalt prata, que tem a placa clonada. O original foi localizado pela polícia em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. O outro carro é um Logan, que pode ser o veículo abandonado na cidade de Ubá.

Quem era Marielle Franco

Nascida no Complexo da Maré, Zona Norte do Rio de Janeiro, em 27 de julho de 1979,  Marielle Franco era referência na luta pelos direitos humanos. A mais recente conquista na área foi o mandato de vereadora na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, eleita pelo PSOL.

Com bolsa integral, após ser aluna do Pré-Vestibular Comunitário da Maré, Marielle se graduou em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio).

Durante os estudos na PUC, ela não se envolveu com movimentos estudantis, por conta da pouca disponibilidade de tempo, dividido entre estudos e trabalhos para sustentar a filha Luyara, nascida quando Marielle tinha 19 anos. Hoje, a jovem tem 18 anos.

Com o diploma de socióloga, ela, que já tinha trabalhado como educadora infantil na Creche Albano Rosa, na Maré, se tornou professora e pesquisadora respeitada. Depois virou mestre em Administração Pública pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

A vida da política foi dedicada à militância na defesa dos direitos humanos e contra ações violentas nas favelas. A luta foi impulsionada após a morte de uma amiga, vítima de bala perdida, durante um tiroteio envolvendo policiais e traficantes de drogas na favela onde nasceu e viveu.

Marielle Franco integrou, em 2006, a equipe de campanha que elegeu Marcelo Freixo à Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). Após a posse dele como deputado, foi nomeada assessora parlamentar dele. Depois assumiu a coordenação da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da assembleia.

Há dois anos, na primeira disputa eleitoral, foi eleita com 46.502 votos para o cargo de vereadora na capital carioca, a quinta mais votada na cidade.

A vereadora era crítica da intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro. Há duas semanas, ela assumiu a função de relatora da Comissão da Câmara de Vereadores do Rio, criada para acompanhar a atuação das tropas na intervenção.

Em 10 de março deste ano, ela havia denunciado, em seu perfil de redes sociais, indícios de que policiais do 41º Batalhão de Polícia Militar haviam cometido abusos de autoridade contra os moradores do bairro de Acari. (  Por Jacqueline Saraiva )

FOTO: VICENTE MOTA/WEBTV MINAS

Fonte: Estado de Minas

Você também pode gostar